Poesia Recordar é viver

Poesia Recordar é viver

Capa do livro Recordar é viver.

MINHA VIDA MENINIL

Versos de Valdon Varjão publicados no livro "Balisa Etéreas Reminiscências"

Como eu era feliz,naquela vida de paz,
Na idade adolescente,
Que os anos não trazem mais.
Meu mundo, era a natureza,
Meu trabalho a vadiagem, estilingue, bodoque e bolitas,
Trazia como bagagem .
Não pensava no futuro,

Pobreza não deixa herança; hoje, mesmo abastado,

Preferia ser aquela criança. Sem futuro e sem poupança.

Vivia uma vida feliz,
De alfaiate ou sapateiro Tentava ser aprendiz.
Pescar, nadar e correr, Constituía meu mundo, Amava os passarinhos,
Fui primeiro sem segundo. Respeitava os animaizinhos, Suas vidas indefesas,

Preservava os verdes matos, dessa linda natureza.

Com pés descalços e tronco nu, vivia só de calção,
Não invejava bem vestidos, desafiava poluição.
Ar, espaço e folhas verdes, plantar, regar e colher,

Catar frutos silvestres,
Era todo o meu viver.
Apesar de meus pais pobres, vivia sem egoísmo,
Sem inveja e sem maldade, Sem motejo e sem golpismo,

Com a pele bronzeada,
Pelo sol causticante,
Esbelto, versátil e ágil,
Era um menino elegante.
Remar no Araguaia,
Era um dos meus brinquedos,

Cantar bumba-meu-boi,
Jogar peladas em folguedos. Tudo isso era meu mundo,

Um soldado sem quartel, nunca tive .algum brinquedo, dado por papai-noel. 
O pai era um pobre ferreiro, lutava na profissão;
A mãe uma abnegada,
Na luta do ganhar pão. Assim vivi na infância,

Sem cultura e pouca escola, Andando de léu-em-Iéu,
Até virar rapazola.
Oh !. .. Que saudades que restam, daquela infância vulgar,
Menino sem eira e sem beira, nascido para lutar.

Transcrição: Malba Thania Alves Varjão
 


Desenvolvido por: Araguaia Networks